Resumos e Comentários

Plano Mestre de Evangelismo

Autor: Robert Coleman

Fora da Palavra de Deus, muitos livros podem ser considerados como transformadores. Para mim, o livro Plano Mestre de Evangelismo foi transformador. Não estou tentando ser dramático e nem alegando que o livro de Coleman é revolucionário e inovador. De fato, o que faz este livro tão importante é sua simplicidade e verdade infinitas.
Mas você não precisa ficar só com minha palavra sobre o livro. Isto é o que Billy Graham disse: “Poucos livros têm causado tão grande impacto na causa da evengelização mundial em nossa geração como o livro de Coleman O Plano Mestre de Evangelismo.”

Resumo

    Tudo começou quando Jesus chamou uns poucos homens para seguí-lo e comprtilhar a mensagem de Deus. Enquanto morria por todos, Jesus ensinou muito pouco. Quando um crente estuda os Evangelhos, fica óbvio que o foco do ministério de Jesus foi preparar um pequeno grupo de cristãos que levariam seu trabalho adiante. Sim, Ele pregou às multidões, mas Seu foco ministerial de discipulado  foi bastante reduzido. Ele tinha os 70, mas dentre estes, Jesus gastou mais tempo com os 12. Dentre os 12, Jesus deu mais atenção ainda ao treinamento de 3, Pedro, Tiago e João. De muitas formas, Jesus investiu nestes 3 homens para serem capazes de liderar Sua igreja após Sua morte e ressurreição. Felizmente para nós, o ministério de Jesus foi efetivo e todos nós devemos nossa herança espiritual aos primeiros discípulos.
Este é o coração dolivro de Coleman. A idéia de que evangelismo, missões e alcançar o mundo para Cristo, não tem nada a ver com número de conversões, batismos ou freqüência. Evangelismo não é uma série de campanhas de grandes grupos, mas um estilo de vida – que começa com oração, busca uns poucos escolhidos para moldar e centra em fazer discípulos de Jesus Cristo. Enfatiza a presença sobre a instrução e o aprendizado prático sobre o conhecimento intelectual.
Desenvolvido através de anos de experiência, Coleman nos ensina o plano Mestre de Evangelismo em 8 passos: Recrutamento, Associação, Consagração, Transmissão, Demonstração, Delegação, Supervisão, Reprodução.
Na verdade, o que faz o método de Jesus para o Evangelismo Mundial tão radical é sua simplicidade: Ele escolheu um pequeno grupo de pessoas para seguí-lo. Eles moraram, comeram, andaram e compartilharam suas vidas e o Plano Mestre de Evangelismo trouxe vida à vida na vida ministerial de Jesus. Ele enfatiza a presença de Jesus no ministério e não a simples transferência de conhecimento e ensino.
Olhe desta forma: se você fosse gastar o próximo discipulado com um novo crente, ensinando-lhe a Fé, instruindo-o nos caminhos da vida do Reino e então ao final de um ano cada um de vocêsa sairia e levaia uma outra pessoa a Cristo. Repita com este novo crente o treinamento na Fé e, ao final do segundo ano serão quatro de vocês. Você está conseguindo enxergar o que está acontecendo? Depois de dez anos de ministério, adivinha quantos você terá no seu pequeno círculo de crentes? 1024! Em somente dez anos! Lembra do primeiro ano quando eram somente você e seu discípulo? O próximo ano serão 4, então 8, 16, 32, 64…  e assim por diante! Crescendo exponencialmente a cada ano. O mundo inteiro poderia ser alcançado para Cristo em pouco mais de 30 anos se cada um de nós dedicarmos nossas vidas a este tipo de evangelismo e discipulado.
Isso é que é estratégia!
Se sua experiência com este livro for similar à minha, então você se verá amando mais a Jesus e crescendo em confiança e empolgação quando imagina sua parte no grande propósito de Deus em encher a terra com Seus adoradores.

Teologia do Cachorro e do Gato

Autor: Bob Sjogren e Gerald Robison

Cachorro ou Gato?

O cachorro diz: “Você me acaricia, me alimenta, me abriga, me ama, você deve ser Deus.”

O gato diz: “Você me acaricia, me alimenta, me abriga, me ama, eu devo ser deus.”

Estes traços dos gatos (“Você existe para me servir”) e dos cachorros (“Eu existo para servi-LO”) são quase sempre semelhantes às atitudes teológicas que adotamos em nossa visão de Deus e nosso relacionamento com Ele.

Quais são as características de um gato?

Os gatos, basicamente, têm a teologia do sentir-se bem. Qualquer coisa que Deus fizer para que eles se sintam bem, eles receberão. Seu objetivo no cristianismo é uma vida cristã segura, fácil e confortável! Qualquer coisa que os façam sentir desconfortáveis ou incomodados, eles jogam foram.

Para um gato, toda a vida cristã está voltada para que ele seja abençoado por Deus. Ele ouve: “Deus quer abençoar você! Na verdade, não é só isso, mas Deus fez tudo para você!”

Os gatos pensam o seguinte:

    • Ele morreu para nos dar uma boa vida.
    • Os anjos existem para nos servir e tomar conta de nós.
    • A igreja existe para suprir nossas necessidades.
    • Deus existe para cuidar de nós e nos abençoar.

Onde está a glória de Deus nisso? O gato diz: Está ali! Deus recebe muita glória ao me abençoar. Tudo está voltado para mim!

Quais são as características de um cachorro?

Os cachorros sabem que Deus é o personagem principal da Bíblia, e vêem como Jesus honrou seu Pai. Eles sabem que Jesus viveu para a glória d’Ele. As escrituras nos contam que Jesus estava sempre direcionado para a glória do Pai e morreu principalmente para a glória d’Ele. João 12.27-28:

“Agora meu coração está pertubado, e o que direi? Pai, salva-me desta hora? Não; eu vim exatamente para isto, para esta hora. Pai, glorifica o teu nome!

Jesus estava pensando na dor da cruz. Isso está dentro do contexto de angústia, sofrimento que Ele iria suportar. Este não é um momento insignificante. Especialmente porque Ele estava totalmente voltado para o porquê precisava sofrer.

Ele tem o seu foco principal na glória de seu Pai. A glória de seu Pai é a maior prioridade. Os gatos odeiam ouvir estas palavras, tanto quanto os cachorros se sentem bem em ouví-las.

Somos as únicas coisas nas quais Jesus pensou quando foi para a cruz? Não! Quando Ele foi para a cruz, Ele o fez fundamentalmente para a glória de seu Pai.

Você já pensou que este grande desejo de glorificar seu Pai é a razão pela qual Ele deseja responder nossas orações? “Eu pensei que Ele tivesse feito isso porque queria nos abençoar”, pensam os gatos. Esta resposta não é incorreta, mas é incompleta. Os cachorros conhecem a resposta mais profunda. Em João 14.13:

“E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho.”

Jesus quer responder nossas orações para que o Pai seja glorificado. Jesus tem o desejo de ver seu Pai exaltado, engrandecido e louvado. Jesus fez sua obra para a glória do Pai. Em sua oração em João 17.4, Cristo diz:

“Eu te glorificarei na terra, completando a obra que me deste para fazer.”

Cristo realizou sua obra para dar glória a seu Pai. Glória eterna existente mesmo antes que o mundo existisse.

Conclusão

Em nosso relacionamento com Deus podemos ser gatos ou cachorros.

Os gatos vivem somente para sua própria glória. No entanto, a Bíblia nos adverte que Deus não dividirá a glória d’Ele com ninguém, como diz Isaías 42.8 “Eu sou o Senhor; este é o meu nome! Não darei a outro a minha glória, nem a imagens o meu louvor”.

Os cachorros entenderam que seu propósito é refletir a glória de Deus e levar outras pessoas a enxergarem essa glória. Eles vivem para glorificar somente a Deus.

Você têm sido um gato ou um cachorro?

“Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” (I Coríntios 10.31)

Sandro Silva, brasileiro, nascido em Rio Branco (AC). Casado com a Clarissa Silva. Bacharelando em Teologia no SEBARSP. Ele é membro da equipe de coordenadores pelo o curso Perspectivas.